Diarreia de leitões na maternidade

*Professor Carlos Alexandre Oelke

É muito comum observar em granjas produtoras de suínos que cerca de 70% dos casos de mortalidade de leitões ocorrem na primeira semana de vida, sendo as principais causas o esmagamento, a inanição e os problemas entéricos. Assim, esta nota tem como objetivo destacar quais são as principais causas de diarréias que acometem os animais na maternidade e as principais medidas preventivas.

Primeiramente, é importante se estabelecer um “mapa sanitário” do período em que os animais permanecem no setor de maternidade, observando as principais doenças e as fases que essas doenças costumam surgir (Quadro 1).

Quadro 1. Principais enterites na maternidade segundo a idade.

Quadro 1

Fonte: RISTOW (2012).

Colibacilose (Escherichia Coli)

            A colibacilose neonatal é uma infecção caracterizada pela produção de enterotoxinas no intestino. É comum se observar uma alta taxa de mortalidade dos leitões entre as 4 e 24 horas após o nascimento. Os leitões acometidos por essa doença apresentam fezes aquosas e com coloração amarelada (Figura 1).

figura 1

Figura 1. Leitão com fezes líquidas (Fonte: SOBESTIANSKY e BARCELLOS, 2007).

 

Prevenção e controle:

            A limpeza e desinfecção das instalações são fundamentais para a prevenção da doença, além disso, a sela parideira e o escamoteador devem ser mantidos secos. Também, como medida preventiva pode-se destacar a vacinação das porcas e leitoas.

Quanto ao uso de antibióticos, o médico veterinário deverá ser consultado. Alguns antibióticos como colistina, enrofloxacina, neomicina e florfenicol são utilizados no tratamento dos animais com boas respostas.

 Enterotoxemia (Clostridium perfringes Tipo C)

            A enterotoxemia é causada pelo agente Clostridium perfringens Tipo C. Nos animais acometidos, se observa uma diarreia hemorrágica na primeira semana, e geralmente está relacionada a uma alta taxa de mortalidade e retardo no crescimento dos animais.

Prevenção e controle:

            Limpeza e desinfecção das instalações são processos importantes para a prevenção da doença, além disso, a sela parideira e o escamoteador devem ser mantidos secos. Também, como medida preventiva pode-se destacar a vacinação das porcas e leitoas, pois não há uma resposta muito eficiente no tratamento com antibióticos, assim a prevenção é fundamental.

Rotavirose (Rotavírus Suíno)

                Essa doença causa nos animais anorexia, vômitos e diarreia, e geralmente aparece entre as duas e seis semanas de idade, apresentando uma alta taxa de morbidade e média de mortalidade.

A diarreia é geralmente amarelada ou branca líquida no início, e após algumas horas, torna-se cremosa ou pastosa, antes de voltar ao normal. Geralmente os leitões recuperam-se entre três ou quatro dias após o surgimento da diarreia, mas em alguns casos esta pode persistir durante duas semanas.

Prevenção e controle:

Limpeza e desinfecção das instalações são processos importantes para a prevenção da doença, além disso, a sela parideira e o escamoteador devem ser mantidos secos.

Como tratamento, recomenda-se o uso de soluções hidratantes, sendo que o uso de antibiótico é feito apenas para se evitar as infecções secundárias.

Coccidiose (Isospora Suis)

É caracterizada por uma diarreia não hemorrágica, amarelada, fétida e não responsiva a antibióticos, sendo causada por um protozoário. O aparecimento desta doença ocorre geralmente entre o 5º e o 15º dia de idade. É caracterizada como uma enfermidade de alta taxa de morbidade, porém com baixa mortalidade. O surgimento da coccidiose nos animais prejudica seu estado geral de saúde, podendo, assim, ser uma “porta de entrada” para o aparecimento de infecções secundárias. A coccidiose causa atrofia das vilosidades, erosão da mucosa e enterite.

figura 2

Figura 2. Animal com diarreia característica (Fonte: autor).

 figura 3

Figura 3. Aspecto da diarreia causada por coccidiose (Fonte: autor).

Prevenção e controle:

A limpeza e desinfecção das instalações são procedimentos importantes para a prevenção dessa doença. Em granjas com histórico da doença, a utilização de produtos a base de Toltrazuril (20 mg/kg) pode ser uma medida de evitar o surgimento de coccidiose. Para a aplicação do Toltrazuril, se recomenda prenderem os leitões no escamoteador por 20 min após a mamada, aplicar o produto e manter fechados no escamoteador por mais 20 min.

 Considerações finais

Abaixo segue a sugestão de um protocolo de vacinação com base nas doenças vista anteriormente. Vale ressaltar a importância de consultar um médico veterinário para se avaliar as especificidades da granja.

vacina quadro

Outro aspecto importante é a assistência aos leitões recém-nascidos, sendo fundamental o acompanhamento das primeiras mamadas, principalmente dos leitões pequenos, garantindo que os mesmos consumam o colostro. Além disso, o excesso de leite (colostro) pode ser retirado (figura 4) e congelado para ser posteriormente utilizado em leitões fracos. O conteúdo coletado pode ser armazenado em recipiente plástico, por exemplo, nos frascos de sêmen, após esses serem higienizados. Para utilizar o produto, descongele-o e aqueça em banho-maria a 34oC.

Foto Retirando-se leite

  Figura 4. Retirada do leite (colostro), que pode ser fornecido imediatamente aos animais fracos ou congelado (Fonte: Autor).

            Nessa nota, alguns elementos importantes para o controle microbiológico das salas de maternidade não foram mencionados, como é o caso da utilização da vassoura de fogo. Quando as instalações permitem o seu uso, é uma aliada importante no controle de patógenos, principalmente da Isospora suis.

Referências Bibliográficas

ALBERTON, G.C.; ZOTTI, E.; ALFIERI, A.F. et al. Tópicos em Sanidade e Manejo de Suínos. Campinas:Sanphar. Sorocaba:Curuca Consciência Ecológica. 2010. p.360.

RISTOW, L.D. Doenças Entéricas dos Suínos. Disponível em: http://abravesmt.com.br/arquivos/arquivo03.pdf. Acesso em 22/06/2012.

SOBESTIANSKY, J.; BARCELLOS, D. Doenças dos Suínos. Goiânia:Cânone Editorial. 2007. p.770.

* Universidade Federal do Pampa (UNIPAMPA), campus Itaqui. e-mail: carlosoelke@unipampa.edu.br

About these ads

Sobre gepsaa

Grupo de Estudo e Pesquisa em Sistemas Agroalimentares e Agroindustrias
Esse post foi publicado em Produção Animal e marcado , , . Guardar link permanente.

4 respostas para Diarreia de leitões na maternidade

  1. Nauru disse:

    Hello There. I found your blog using msn. This is a really well written article. I’ll be sure to bookmark it and come back to read more of your useful info. Thanks for the post. I’ll certainly return.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s